Biografia

Se formou no Conservatório Estadual de Florença «Luigi Cherubini» sob a orientação de Alberto Bologni e seguiu seu percurso acadêmico tendo como orientador Giuliano Carmignola no Centre de Musique Hindemith de Blonay, na Accademia Chigiana em Siena e na Musikhochschule Luzern na Suíça, onde obteve, com nota máxima, os títulos de Konzertdiplom e Solistendiplom. Participou também dos cursos do «Trio di Trieste» na Academia Internacional de Música de Câmara de Duino.

Com apenas quatro anos de idade Antonio Aiello começou a estudar música e violino, aos seis anos venceu em 1º lugar o Concurso Nacional «Vincenzo Galilei» em Florença. Desde então, conquistou doze prêmios em diversas competições nacionais e internacionais, incluindo o 1º lugar no concurso «Mario Benvenuti» de Vittorio Veneto e dois primeiros prêmios absolutos na «A.M.A. Calabria» nas categorias de música de câmara e música contemporânea.

Depois de estrear aos 11 anos como solista de orquestra em Montecatini Terme, na região da Toscana na Itália, Antonio Aiello teve a oportunidade de se apresentar em diversos países, como: Suíça, Alemanha, França, Romênia e EUA. Desde muito jovem tem sido convidado para tocar por inúmeras renomadas instituições, entre elas Amici della Musica di Firenze e a Regia Accademia Filarmonica di Bologna. Ainda na qualidade de solista, gravou ao vivo para a RAI (principal emissora televisiva pública italiana) e várias emissoras privadas, para a rádio alemã Mitteldeutsche Rudfunk, bem como para as gravadoras Modus e Edizioni Plus (veja Discografia >).

Paralelamente à sua carreira como solista, Antonio Aiello é membro permanente da orquestra I Virtuosi Italiani e colabora regularmente com a Orchestra della Svizzera Italiana e com o Festival Strings Lucerne, entre outras inúmeras importantes parcerias com prestigiadas orquestras de câmara e sinfônica, como Kammerphilharmonie Graubünden, Mahler Chamber Orchestra, Orchestra Mozart,Orchestra Sinfonica Nazionale della Rai, Orchestra Arena di Verona, Teatro del Maggio Musicale Fiorentino e Teatro Massimo di Palermo. Nesse contexto, Antonio Aiello teve o privilégio de trabalhar com diretores de renome internacional, como Claudio Abbado, John Eliot Gardiner, Lorin Maazel, Zubin Metha, Riccardo Muti e Trevor Pinnock, com os quais teve a oportunidade de produzir trabalhos para gravadoras de prestígio, como a Deutsche Grammophone e a Sony Music.

Desde 2004 se dedica à prática de performance de música antiga em instrumentos originais; com violino barroco, gravou «Diavolo&Follia» com os Sonatori Fiorentini para a gravadora OnClassical e, como mestre de concertos na Ensemble Alraune, gravou «Le Fate» de Giovanni Alberto Ristori para a gravadora NovAntiqua Records, após o extraordinário sucesso alcançado no Ekhof Festival em Gotha.

E finalmente, desde 2018 é membro do Trio Operacento, grupo de música de câmara que atua desde 2008 em uma intensa atividade de concertos internacionais. Antonio Aiello toca um George Chanot (Paris 1830), modelo Giuseppe Guarneri (Cremona 1717) e, como violino barroco, Eduardo Gorr (Cremona 2008), modelo Antonio Stradivari (Cremona 1709).

 

Antonio Aiello com 6 anos pronto para um concerto.

  • Arranjos

    Além de sua carreira como violinista, Antonio Aiello conta com um vasto catálogo de arranjos musicais de sua produção para os mais variados orgânicos executados em todo o mundo.

  • Trio Operacento

    Graças à parceria artística com a pianista Francesca Sperandeo e o violoncelista Antonino Puliafito, o Trio Operacento realiza diversos concertos.

  • Projetos propostos

    Escutando o Cinema, Diabolus in Musica, Os Concertos da Natureza, A Musical Voyage e The Eight Seasons são apenas alguns dos programas para violino solo e orquestra de câmara, idealizados, arranjados, realizados e dirigidos por Antonio Aiello.

  • Repertório